18 de ago de 2013

A simplicidade das coisas


Hora de encontros, conversas, segredos.
Mas tudo acontece em um nada absoluto.
Frente a frente, olhares desconfiados, tímidos, apenas almoçam juntos, mas suas almas estão separadas por um momento em que nada dizem. 
Momento de troca, de compartilhamento, de cumplicidade.
Tudo parece irreal.
Até o levantar das pálpebras não condizem com o sublime estar ali.
Outros apenas conversam com seus botões, brincam com os talheres e olham em volta este ambiente tão (in)familiar, mas tão significativo.
Representam aqueles que preferem a introspecção, o EU em si e mais ninguém.
E a vida segue, divergente em espécimes e congruente em sonhos.


2 comentários:

Clóvis Marcelo disse...

Adorei o texto. Preciso ler e reler com mais calma para captar a essência, mas realmente me instigou. Abraços.

De Frente com os Livros

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Como vc é seguidora do meu blog, passo pra convidá-la:
Conforme disse, no início do mês, a partir de amanhã, tem festa no blog pelos 4 anos do meu blog, participe! Precisamos nos ajudar a crescer...
No post estará tudo explicadinho, creio eu, mas qualquer dúvida, estarei aqui no e-mail para responder, está bem???
Sua presença me é muito querida...
Na fraternidade, poderemos caminhar muito melhor...
Sem os leitores, comentaristas e visualizadores, nada sou...
Bjm de paz e bem
P.S. saudade de vc...